Assessores de Comunicação da Assembleia Legislativa têm salários reajustados

O Diário Oficial do Estado (DOE), dessa segunda-feira, 27, de Nº 5.365, trouxe sancionada a Lei Nº 3.471 de maio de 2019 que dispõe sobre os cargos de provimento em comissão da Assembleia Legislativa do Tocantins (AL-TO).

Entre os cargos reajustados, está o de Assessor de Comunicação que, anteriormente, recebia um salário de R$2.100,00 e, agora, passa a receber R$ 2.700,00. A conquista para a categoria foi possível graças a luta encabeçada pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins (Sindjor-TO), junto aos deputados estaduais.

 A conquista se deve, em especial, ao apoio do deputado estadual Júnior Geo (PROS), que apresentou emenda, na Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa do Tocantins, no início de maio, e que, prontamente, recebeu o apoio da deputada Cláudia Lelis (PV) e dos demais deputados que fazem parte da comissão e votaram pela aprovação da emenda na Comissão de Finanças e Fiscalização.

O presidente da AL, deputado estadual Antônio Andrade (PHS), também apoiou o reajuste da categoria na Casa.

“A correção salarial dos assessores de imprensa é uma Vitória. Desde 2015 o valor não era corrigido, colocando assim os profissionais que atuam, na AL, em desvantagem com relação aos outros assessores. Agradecemos imensamente ao deputado Junior Geo que ouviu e atendeu a demanda dos assessores de imprensa, e também aos demais deputados que têm sido sensíveis às nossas demandas. Esse ano conseguimos reverter nomeações de viés político para cargos técnicos, garantindo que os profissionais da comunicação ocupem as vagas que requerem conhecimento na área”, ressaltou a presidenta do Sindjor-TO, Alessandra Bacelar.

Relatório da FIJ registra 121 assassinatos de jornalistas em 2012

Com 6 casos, o Brasil ficou em 5º lugar na lista de países com mais assassinatos de jornalistas e trabalhadores da mídia em 2012. O relatório apresentado pela Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) no dia 31 de dezembro registra que o ano passado foi um dos mais sangrentos para os jornalistas.

Menu