Pesquisadora apresenta resultados sobre a saúde mental dos jornalistas do Tocantins em roda de conversa

Após 13 encontros realizados para debater a saúde mental do jornalista e seus desafios no exercício da sua profissão, o Sindicato dos Jornalistas do Estado do Tocantins (Sindjor/TO), em parceria com o Programa de Pós Graduação em Comunicação e Sociedade da UFT, juntamente com a Psiquê, promoverá uma roda de conversa nesta quinta-feira, 25. A proposta é mostrar os resultados sobre o que foi analisado nas sessões anteriores e oferecer um feedback às jornalistas que participaram do estudo. O novo encontro será na Psiquê, localizada no Edifício Espaço Médico Empresarial, na Av. Teotônio Segurado, a partir das 20h.

Para a presidenta do Sindjor/TO, Alessandra Bacelar, é preciso discutir a saúde mental e trabalhar para que os jornalistas tenham novamente prazer ao exercer a profissão. “A partir da pesquisa de mestrado da psicóloga Jordanna Parreira, responsável pela investigação sobre a saúde mental do jornalista, pudemos falar sobre o sofrimento e o prazer que nós encontramos no trabalho. O cenário atual de trabalho vem afetando diretamente a vida dos nossos profissionais e identificar como melhorar esse ambiente e a qualidade de vida deles foram as propostas nesses encontros”, explicou Alessandra.

Sobre os encontros
As escutas clínicas do trabalho, traziam vários temas propostos pelo próprio grupo de participantes, mas com um tema central que era: “Como está a saúde mental dos Jornalistas?”, proposta idealizada pela clínica-pesquisa e psicóloga Jordanna Parreira sob orientação e supervisão da Profª Dra. Liliam Ghizoni, e que, posteriormente, irá se transformar na sua dissertação para o mestrado do PPGCOM pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e ficará disponível para que todos possam identificar onde estão os maiores problemas e como buscar as devidas soluções. Esse coletivo de pesquisa também contou com o a participação da auxiliar-pesquisadora Maria Aires também psicóloga.
Além de falar sobre a saúde mental dos jornalistas, a mestranda também propôs dar voz aos jornalistas para que falassem sobre as suas vivências na profissão.

Menu